Alimentação & Receitas

Legume desaconselhado por ser muito rico em potássio (num doente em hemodiálise)

 

A ingestão destes alimentos deverá ser adaptada e individualizada a cada situação clínica.

 

O tomate é rico em potentes antioxidantes como licopeno, vitamina E, C e A. Com tal, possui não só efeito cardioprotector com a redução dos níveis de mau colesterol e sua oxidação, como também é eficaz na redução dos níveis de homocisteína, pressão arterial, tendo também um papel com anti-carcinogénico. Porém, o seu consumo deve ser moderado, pois meio tomate (do tamanho de uma bola de ténis) possui 195mg de potássio, ou seja é equivalente a uma porção de legumes.

 

Legumes devem ser consumidos máximo uma vez por dia. 

 

Nos doentes que têm função renal residual moderada (doentes em diálise peritoneal), podem ingerir cerca de  3 mg de potássio / dia. Doentes em programa de hemodiálise recomenda-se 2 a 3 mg/dia ou 40 mg kg/dia, para além do potássio ingerido através dos alimentos, existem outros fatores que podem contribuir para o seu aumento, nomeadamente, a administração de beta bloqueadores ou de inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA) (antiarrítmicos, anti-hipertensores), a hipoinsulinemia e a obstipação. Uma dieta renal renal é bastante complexa e deve ser adaptada individualmente. Nunca siga orientações gerais. A sua nutricionista / médico / enfermeiro irá desenvolver uma dieta individualizada.

 

O seu nefrologista pode prescrever medicamentos que se liguem ao potássio para evitar atingir níveis de potássio demasiado elevados.

 

Inicia-se a restrição do potássio alimentar quando a TFG é inferior a 30 ml/min/1,73 m2, ajustando a ingestão de potássio para valores inferiores a 3000 mg /dia

Publicado: portaldadialise | 2017-09-18 16:00 Última atualização: 2018-01-09 18:38:43 Fonte: Tags : Alimentação, Potássio
Partilhar:
Portal da Diálise

"Privilegia informação clara sobre a doença renal, assentando numa base de conhecimentos científicos actualizados"

Artigos Relacionados
Comentários